Tour nas fazendas produtoras de Algodão do Piauí

Durante os dias 4, 5 e 6 de Fevereiro a equipe técnica da Apipa e o Consultor Dr. Eleusio Curvelo Freire fizeram um Tour em oito fazendas produtoras de algodão no Cerrado Piauiense, encerrando as visitas com participação no 2º Encontro Técnico da Fitoagro.

A realização das visitas teve como objetivo,  iniciar um trabalho de acompanhamento junto aos produtores e gerentes, realizando consultoria, com vistas a buscar sustentabilidade na cultura do algodão, além do incentivo à entrada de novos produtores oriundos do complexo  soja.

Um dos principais gargalos a nível de campo, no manejo com o algodão nos cerrados do Piauí, pela experiência das fazendas produtoras, é o estabelecimento da cultura. Realizar plantio com distribuição e profundidade uniformes é possível, desde que se use máquinas bem reguladas, velocidade adequada e seja realizado um acompanhamento com equipe preparada, porém as épocas  consideradas ideais para o plantio do algodão no Piauí, de 10 de Dezembro a 10 de Janeiro, geralmente são acometidas pôrveranicos, com isso, é preciso ficar atento  as previsões do tempo e, se necessário, antecipar o plantio.

Nessa safra, os primeiros plantios de algodão iniciaram na segunda quinzena de Novembro e os últimos finalizaram na segunda quinzena de Janeiro, ou seja, do primeiro plantio ao último se passaram quase sessenta dias , implicando também em problemas fitossanitário, pois poderá ocorrer a  migração de pragas de lotes de algodão mais velhos ,  para os  lotes mais novos, além da dificuldade de manejo com o Bicudo do Algodoeiro.

Além do estabelecimento da cultura, a maioria das áreas com algodão neste momento tem incomum, problemas com mosca branca (bemisia tabaci), principalmente nesse momento de inicio da colheita da soja (pragas migram da soja para o Algodão), problemas com lagarta Spodoptera (Spodoptera spp) e Pulgão (aphis gossypii). Pulgão e Mosca Branca são pragas que podem prejudicar a qualidade de fibras caso não haja controle eficiente, principalmente no fim do ciclo.

Entre outros desafios ao plantio do Algodão, no Piauí temos uma infraestrutura deficiente, principalmente no tocante a logística e energia elétrica, dificultando também a instalação de usinas algodoeiras para beneficiamento do Algodão. Além disso, falta incentivos por parte do Estado.

Participação no 2º Encontro Técnico FITOAGRO – Serra do Quilombo, Bom Jesus

O Tour às fazendas produtoras de Algodão finalizou com a participação no segundo encontro técnico realizado pela FITOAGRO, empresa de Pesquisa e Consultoria Agrícola sediada no município de Bom Jesus – Serra do Quilombo, Sul do Piauí. O evento consiste na troca de informações voltadas as culturas de grãos, sendo as principais, soja e milho, no cerrado Piauiense. Esse ano a direção do evento abriu as portas para que a Apipa e outras empresas pudessem levar profissionais da área de algodão. A Apipa levou para o Evento o Dr. Eleusio Curvelo Freire – Consultor na Cotton Consultoria, Eng. Agrônomo, Doutor em Genética e Melhoramento de Plantas, foi chefe geral da Embrapa Algodão e pioneiro nas pesquisas com melhoramento do algodoeiro nos cerrados de Mato Grosso, Goiás e Bahia. No Stand da Fitoagro, Além do Dr. Eleusio Freire, a Syngenta levou o Consultor Jonas Guerra, Engenheiro Agrônomo e Diretor Presidente na Guerra Consultoria com atuação em todo o estado de Mato Grosso. Também participou no Stand o Eng. Agrônomo Emilio Schmiit, Especialista em fertilidade dos solos – sócio do grupo Analys e consultor de fertilidade dos solos em 300 mil hectares no Estado do Piauí.

Os principais temas abordados durante o evento foram:

– Adubação do Algodão – Emilio Schmitt

Emilio focou na fertilidade envolvendo a cultura do algodoeiro, destacando essa planta como muito exigente aos elementos do solo quando comparados a soja, por exemplo. Sendo o algodoeiro exigente em elementos móveis, como o Nitrogênio e Potássio. Há um agravante, o pico de consumo desses nutrientes é próximo dos 100 dias em algumas cultivares, ou seja, é necessário o produtor realizar aplicações parceladas. Uma área para estar apta a receber a cultura do algodão, precisa estar com os níveis de cálcio alto e um perfil de solo bem construído, destacou Schmitt em parte de sua apresentação.

– Aspectos gerais da cultura do Algodão no Piauí: mercado, perspectivas futuras e manejo – Dr. Eleusio Freire

Dr. Eleusio fez uma breve e sucinta apresentação da cadeia produtiva do algodão, destacando a importância da Abrapa – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão e das associadas em cada Estado produtor. Frisou um pouco da trajetória das certificações ABR e BCI, como sendo parte importante do processo, principalmente para comercialização da pluma. Destacou os principais requisitos e/ou condições para um novo produtor de Algodão. Destacou também aspectos importantes no manejo e custos de produção.

– Fenologia, Manejo e Posicionamento para Algodão – Jonas Guerra

Dr. Jonas apresentou o grande potencial de produtividade que a cultura do algodão possui e que ela expressa esse potencial desde que suas necessidades sejam bem atendidas no que se refere ao perfil de solo, mas principalmente as questões de clima, temperatura, água e luz. Frisou o grande potencial também do Piauí para o cultivo com Algodão.

EDSON NERE A SOUSA
Técnico de Camp

Fotos

Algodão
Dúvidas e informações:
Mais notícias
capa
Visita técnica
Equipe da APIPA realiza visitas para apresentar os programas de sustentabilidade
setembro 20, 2021
08
Relatório Mensal
Relatório Mensal de safra – setembro
setembro 10, 2021
noticias abrapa
Boletim ABRAPA
Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão
setembro 10, 2021
WhatsApp Image 2021-09-09 at 16.15.02
Abrapa
Abrapa visita região produtora no Piauí
setembro 9, 2021
capa
Colheita do algodão
PIAUÍ COLHE A MAIOR MÉDIA DE PRODUTIVIDADE DE ALGODÃO EM CAROÇO DAS ÚLTIMAS 10 SAFRAS
setembro 8, 2021
noticias abrapa
Boletim ABRAPA
Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão
setembro 3, 2021