Nesta quinta-feira (7/10), comemora-se o Dia Mundial do Algodão. O Brasil é o quarto maior país produtor e o segundo principal exportador da pluma no mundo. A  renda dos produtores este ano é estimada em R$ 26 bilhões pelo Ministério da Agricultura e as exportações devem superar os US$ 3 bilhões. A pluma é considerada uma “grande oportunidade para o futuro”, na visão da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) .

Da lavoura ao tecido

No mundo, a produção de algodão é de quase 24,5 milhões de toneladas (safra 2020/2021), de acordo com estimativas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). No Brasil, a Abrapa estima que, na safra 2020/2021, foram plantados 1,38 milhão de hectares e colhidos 2,33 milhões de toneladas, em um ano marcado por problemas climáticos na produção.

Por aqui, a pluma é cultivada, principalmente, na segunda safra, na sequência de culturas como a soja. Mato Grosso e Bahia são os principais produtores nacionais. É uma lavoura que exige cuidados de manejo, maquinário adequado e mão de obra qualificada. Júlio Cézar Busato, presidente da Abrapa, afirma que, em função da sua exigência de fertilidade, o solo só está apto para receber o algodoeiro quando a área já foi utilizada para agricultura por volta de 8 a 10 anos.

Após o plantio, a semente tem um ciclo de desenvolvimento que varia entre 130 e 180 dias. Nessa etapa, devem ser evitadas as pragas, em especial, o bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis), um besouro que já foi responsável por destruir grandes lavouras brasileiras.

Quando a fibra chega à indústria, passa também por uma série de processos, que implica em cuidados para manter a qualidade da matéria-prima, explica Marcos Aurélio Sousa Rodrigues, diretor-industrial da empresa Cataguases.

“O algodão chega na nossa empresa em plumas compactadas em fardos. Armazenamos e classificamos as qualidades das fibras de acordo com os dados que recebemos da lavoura e as testagens em nosso laboratório para montarmos receitas uniformes de algodão e manter a qualidade de acordo com nossos parâmetros internos”, afirma o diretor.

Ele explica que são várias as etapas de fiação até chegar á tecelagem. Os fios são direcionados para etapa de preparação, em que serão produzidos os rolos de urdume para alimentação dos teares e também consumidos diretamente na forma de trama. No processo de engomagem, são aplicados produtos para aumentar a resistência do urdume para tecer.

Concluída a revisão do tecido em cru, inicia-se o processamento químico-físico do beneficiamento. Primeiro, são retiradas as impurezas que podem resultar do processo de engomagem e os tecidos passam por branqueamento químico, para possibilitar a coloração. Depois, os tecidos são coloridos por tingimento ou estampagem. Na terceira e última etapa,  passam por um conjunto de processos que fornecem ao material propriedades relacionadas ao seu acabamento.

Após uma revisão, os tecidos são classificados e encaminhados ao Centro de Distribuição. Segundo Rodrigues, de todo o algodão colhido, apenas cerca de 40% a 42% são considerados viáveis para a utilização nos processos têxteis destinados a virar tecido.

O diretor da Cataguases afirma que a produção atual da empresa é de aproximadamente 15 milhões de metros por ano e, que, apesar do foco no consumo interno, “20% da produção é direcionada à exportação”.

Algodão (Foto: Assessoria de Imprensa – Dalila e Cataguases)

Segundo André Klein, representante da Dalila Têxtil, uma dificuldade de trabalhar com fios artesanais e reciclados, está em promover um tecido com bom acabamento, uma vez que eles possuem maior chance de barramento (Foto: Assessoria de Imprensa – Dalila e Cataguases)

 

Mercado consumidor

De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, do volume produzido na safra 2020/2021, 700 mil toneladas (30%) serão destinados ao mercado interno e o restante – 1,63 milhão de toneladas (70%) – será exportado, em especial, para a Ásia (cerca de 99%).

Para a nova safra 2021/2022, a expectativa é de aumento na área de plantio, que, para a entidade, pode chegar a 1,5 milhão de hectares, com uma colheita projetada em 2,8 milhões de toneladas.

“Não será o nosso recorde, que foi batido na safra 2019/2020, de 3 milhões de toneladas. Infelizmente, nesta safra que acabamos de colher, nós reduzimos a área de plantio em 17% e tivemos uma deficiência de chuvas no final do ciclo em Mato Grosso e Goiás, o que diminuiu a nossa produção”, aponta Julio Busato.

Na safra 2019/2020, a colheita foi capaz de atender a demanda do mercado interno com apenas 23% de seu volume total, enquanto as exportações totalizaram cerca de 2,3 milhões de toneladas (76%), com uma receita de US$ 3,8 bilhões.

Busato afirma que, em 2019, antes do início da pandemia de Covid-19, o mundo consumia cerca de 25 milhões de toneladas de algodão, mas esse número aumentou para 27 milhões em 2021. Essa maior demanda levou a uma valorização da pluma, que passou de US$ 0,84/libra-peso para US$ 0,90/libra-peso no mercado internacional.

Além da maior demanda, André Klein, representante da Dalila Têxtil, empresa que processa até 500 toneladas de algodão por mês, afirma que a alta da cotação na Bolsa de Nova York também resulta da crise hídrica e das mudanças climáticas em todo o planeta: “A colheita torna-se mais cara, uma vez que depende da água (irrigação), tal como todo o processo de produção e transporte. Isso, consequentemente, afeta o valor do produto final”.

Para Marcos Rodrigues, da Cataguases, “há uma forte tendência de crescimento no mercado têxtil nacional, porém, o algodão disputa espaço com importantes culturas agrícolas que estão em alta no mercado internacional, tais como a soja e o milho”.

https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Algodao/noticia/2021/10/dia-mundial-do-algodao-o-caminho-da-pluma-do-campo-industria.html

 

Revista Globo Rural – Por Arthur Almeida – 07.10.2021

Fotos

Dia Mundial do Algodão
Dúvidas e informações:
Mais notícias
7T8A7301
Dia Mundial do Algodão
Dia Mundial do Algodão: o caminho da pluma do campo à indústria
outubro 8, 2021
7T8A7187
ALGODÂO/CEPEA
EM FORTE ALTA, INDICADOR SEGUE RENOVANDO A MÁXIMA NOMINAL
outubro 6, 2021
Imagem1
Boletim ABRAPA
Semana de alta histórica nas cotações de algodão
outubro 1, 2021
capa
Visita técnica
Equipe da APIPA realiza visitas para apresentar os programas de sustentabilidade
setembro 20, 2021
08
Relatório Mensal
Relatório Mensal de safra – setembro
setembro 10, 2021
noticias abrapa
Boletim ABRAPA
Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão
setembro 10, 2021